10.30.2012

04/09/2012

CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ


Sessão: 236.2.54.O Hora: 20:18 Fase: BC
Orador: ARNALDO FARIA DE SÁ, PTB-SP Data: 04/09/2012

O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, eu queria cumprimentá-lo pela informação que V.Exa. me deu a respeito do fator previdenciário, que não será votado neste mês. Há prazo de 1 mês adicional para o Governo apresentar o impacto da alteração do fator previdenciário, e V.Exa. informa que, a partir do mês de outubro, colocará a matéria em votação. Essa é a grande expectativa de todos os trabalhadores que estão prestes a se aposentar, aguardando com ansiedade que a tal fórmula 85/95 possa minimizar o efeito perverso desse maldito fator previdenciário. O Governo vivia alegando que há um rombo nas contas da Previdência, mas isso é mentira, porque a Previdência na Seguridade Social teve no ano passado um superávit de 77 bilhões de reais - repito, de 77 bilhões de reais -, sem contar que pagou mais de 84 bilhões em benefícios assistenciais.
Não se pode jogar nas costas do trabalhador que paga a Previdência Social, depois de 35 anos, se for homem, uma perda de 40% do seu benefício por causa desse maldito fator previdenciário. Para as mulheres, o prejuízo chega a 50%. Temos que acabar com essa excrescência. Nós não podemos entrar no jogo descarado da previdência privada e aceitar a falácia de que a Previdência está quebrada. Ela não está quebrada. A quem vier discutir isso eu explico os dados que já mostrei aqui de forma resumida. Dados levantados pela ANFIP, Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil, por especialistas em previdência, mostram que é possível fazermos essa alteração. O que não pode é continuar esse maldito, esse perverso fator previdenciário prejudicando todos os trabalhadores.
Espero que esta Casa também dê a sua parcela de contribuição. Imagino que todos os Deputados têm pai e mãe, não são filhos de chocadeira, e sabem como é difícil a situação de um aposentado ou pensionista.
Muito obrigado, Sr. Presidente.
Postar um comentário