11.13.2012

CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 294.2.54.O Hora: 11:56 Fase: OD
Orador: ARNALDO FARIA DE SÁ Data: 07/11/2012

DISCUSSÃO DO PROJETO - MARCO CIVIL INTERNET
O SR. PRESIDENTE (Marco Maia) - Tudo bem, tudo bem.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, então, o Deputado SibáMachado tem que reformular o parecer, porque ele deu pela rejeição da Emenda 1. Ele não pode rejeitar a Emenda 1, se não fica inconsequente o que está sendo tratado.
O SR. PRESIDENTE (Marco Maia) - É só dizer.
Diga ali que V.Exa. aprova a Emenda 1, Deputado.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ - Tem que dizer isso. Ele propôs a rejeição, e não há rejeição da Emenda 1. Votaremos o que não queremos.
O SR. PRESIDENTE (Marco Maia) - Deputado Sibá Machado.
O SR. SIBÁ MACHADO (PT-AC. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, é porque, na situação que nós estamos negociando aqui com o autor, precisamos acrescentar,depois de vulnerabilidade, a palavra para. Isso, se puder, está entendido. É pela aprovação.
O SR. PRESIDENTE (Marco Maia) - Isso, isso.
O SR. SIBÁ MACHADO - Então, será pela aprovação.
O SR. PRESIDENTE (Marco Maia) - Muito bem.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ - Retirada a rejeição dele à Emenda 1.
O SR. PRESIDENTE (Marco Maia) - Isso.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ - Ele tem que falar isso.
O SR. PRESIDENTE (Marco Maia) - Está entendido, está entendido, Deputado.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ - Ele tem que falar isso. Não tem que estar entendido, ele tem que expressar.
O SR. PRESIDENTE (Marco Maia) - Para falar a favor do requerimento de adiamento da discussão, com a palavra o Deputado Miro Teixeira.
O SR. PRESIDENTE (Marco Maia) - PTB.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, este projeto jáfoi votado pela Câmara. Está sendo agora votado no retorno do Senado. As discussões agora são sobre se queremos o texto da Câmara, odo Senado ou a conjunção de emendas. Não podemos discutir alterações agora. Ou votamos o projeto ou não votamos.Queremos votar, portanto, não, para definir essa questão que é grave. E a sociedade espera que tomemos uma providência.

Postar um comentário