3.15.2013

15/03/2013 NOTICIAS


Presidente da Câmara quer votar projetos sobre segurança na próxima semana
O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, destacou, nesta quinta-feira, a realização de uma comissão geral na próxima terça-feira (19) para discutir projetos relacionados à segurança pública e violência no trânsito. “Essa Casa precisa mostrar respeito maior pelo povo brasileiro, discutir e votar projetos para, se não resolver, pelo menos minorar esse problema”, sustentou. A comissão geral será realizada das 10 às 18 horas, no Plenário Ulysses Guimarães.
Após o debate na terça, o presidente pretende pautar propostas relacionadas ao tema para serem votadas já na quarta-feira (20). “Essa Casa já fez muitas discussões desse tipo, mas precisamos avançar e votar medidas concretas”, afirmou.
VetosAlves também quer votar, já na próxima semana, o projeto de resolução de sua autoria que recupera a antiga sistemática de votação de vetos presidenciais. Pelo texto, o Congresso Nacional terá cinco dias após o recebimento do veto para instalar a comissão especial que vai analisá-lo. Se o assunto não for decidido em 30 dias, passa a trancar toda a pauta.
Segundo o presidente, o objetivo da medida é corrigir “a omissão imperdoável” do Congresso com relação aos vetos. Alves explicou que, no passado, a regra era igual à que propõe agora, mas um requerimento alterou o texto de recebimento para leitura do veto.
Pacto federativo
Quanto ao encontro com prefeitos de capitais, previsto para a próxima quarta-feira, o presidente disse que a Câmara precisa ser “protagonista na discussão”. Na opinião de Eduardo Alves, “o pacto federativo está esgotado, e os estados, inteiramente impotentes para socorrê-los”.
No que se refere ao projeto que trata da unificação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em todos os estados (PRS 1/13), o presidente disse que não será discutido porque não há acordo entre os governadores.
Já em relação à proposta que trata da renegociação das dívidas dos estados com a União (Projeto de Lei Complementar 238/13), o presidente da Câmara se comprometeu a intermediar o diálogo com o Ministério da Fazenda. “Podemos discutir aspectos como um orçamento mais justo, para permitir um fluxo de caixa mais favorável”.
Direitos humanos
Henrique Eduardo Alves também considera que a polêmica em torno da eleição do deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) para a Comissão de Direitos Humanos e Minorias já interfere no funcionamento da Casa. Ele espera que os dois lados tenham “moderação, equilíbrio e capacidade de diálogo para chegar a um ajuste da situação”.
Reportagem - Maria Neves
Edição – Regina Céli Assumpção

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'
Postar um comentário