10.15.2013

15/10/2013 FOLHA DE SAO PAULO

FOLHA DE SÃO PAULO 15/10/2013 - 15h46

Congresso promulga PEC da Música com a presença de artistas

PUBLICIDADE
 
GABRIELA GUERREIRO
DE BRASÍLIA
Ouvir o texto
Com a presença de diversos artistas, o Congresso promulgou nesta terça-feira a emenda constitucional que isenta de impostos os CDs e DVDs produzidos no Brasil que tenham obras de autores ou intérpretes brasileiros.
Após a promulgação, a medida será publicada no Diário Oficial e entrará em vigor a partir deste momento ou no período que for determinado pela própria lei.
Fruto de uma proposta conhecida como PEC (proposta de emenda constitucional) da Música, a emenda deve reduzir o preço dos CDs e DVDs comercializados no país com produção nacional.
O objetivo da medida é, ao reduzir os preços, diminuir também a pirataria. A imunidade tributária é a mesma que já vale para livros, jornais e periódicos, entre outros. Congressistas favoráveis à PEC afirmam que ela vai reduzir em 25%, em média, os custos dos CDs e DVDs comercializados no país com produção nacional.
"Eu espero que os CDs e DVDs possam ter o preço reduzido em até 25%. Esperamos o repasse para o consumidor. O que importa é que o consumidor possa adquirir a preço mais baixo a música brasileira", disse o deputado Otávio Leite (PSDB-RJ), um dos articuladores da PEC.
Ao promulgar a emenda, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), defendeu que as gravadoras repassem a redução dos custos ao preço final dos produtos musicais. "Para não desafinar, esperamos que as gravadoras permitam que essa redução chegue aos consumidores", afirmou.
A emenda constitucional também inclui os arquivos digitais, como downloads e ringtones de telefones celulares. O texto diz que todos devem conter "obras musicais ou literomusicais de autores brasileiros, e/ou obras em geral interpretadas por artistas brasileiros".
Os ringtones são tributados pela atual legislação, mas com a PEC terão uma redução de ICMS estimada em 35%. "A música vendida na web e nos celulares também vai poder ficar mais barata graças a essa PEC, colocando a produção musical brasileira em condições muito melhores de disputa, principalmente essa parte que eu digo que é o presente, mas é o futuro também. Isso vai nos colocar no páreo", disse a ministra Marta Suplicy (Cultura), que participou do ato solene.
Em uma tentativa de preservar a Zona Franca de Manaus, onde se localizam as empresas do setor, o benefício não alcança o processo de "replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser", que continua a ser tributado.
Apesar da exceção, os três senadores do Amazonas votaram contra a proposta --que foi aprovada no Senado no final de setembro. O grupo fez pressão para aprovar três emendas à proposta, o que obrigaria o seu retorno à Câmara, mas foi derrotado sem o apoio da maioria dos senadores.
APRESENTAÇÃO
Os cantores Raimundo Fagner, Célia Porto e Rosimery cantaram três canções no plenário do Senado durante a sessão de promulgação da PEC. Acompanhados de músicos, Célia Porto cantou "Cidade Nua", Rosemery cantou uma "Ave Maria" e Fagner, a pedido de senadores, cantou a "Oração de São Francisco".
O cantor nordestino foi assediado por servidores e senadores após a sessão. Tirou fotos e defendeu a promulgação da PEC. "Essa proposta vai dar um novo estímulo à música brasileira, vai permitir aos artistas gravar mais. Vamos ter uma sobrevida com essa PEC", afirmou Fagner.
Postar um comentário