11.01.2013

31/10/2013 Diário de São Paulo

Vitoria-ES, 31 de Outubro de 2013

INSS quer aumento de 11,7% para aposentados
Previdência Social quer que inativos e pensionistas que ganham mais que salário mínimo tenham reajuste Rodrigo Ferreira
rodrigof@diariosp.com.br
Os 9,1 milhões de aposentados e pensionistas que ganham acima de um salário mínimo podem conseguir um reajuste acima da inflação no ano que vem. O secretário executivo da Previdência Social, Leonardo Rolim, admite levar a proposta que prevê aumento de 11,7% para análise do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e da presidente Dilma Rousseff.
O governo se comprometeu nesta semana a responder até o dia 26 se apoia ou não a fórmula de reajuste que considera a inflação estimada para 2012, em 5,7%, mais 80% do PIB (Produto Interno Bruto), totalizando 11,7%.
O assunto foi levantado  na reunião do grupo de trabalho formado pelas centrais sindicais, entidades dos aposentados e governo federal para discutir assuntos de interesse dos segurados do INSS. Pela regra em vigor, as aposentadorias acima do mínimo têm apenas a reposição da inflação, segundo o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). A proposta de orçamento enviada ao Congresso pelo governo não prevê aumento real para os inativos.
“Nós estamos aguardando um posicionamento do governo em relação à proposta de reajuste de 80% do PIB para darmos diretrizes às nossas ações conjuntas”, disse Warley, presidente da Cobap (Confederação Nacional de Aposentados).
Origem/ O achatamento das aposentadorias acima do mínimo se dá porque as regras de reajuste são diferentes. Enquanto o governo aplica aumentos com ganho real para o piso do INSS, os aposentados que recebem mais do que um salário mínimo têm o benefício corrigido apenas pelo INPC.

Em 2005, 34,2% dos aposentados recebiam acima do piso. Atualmente, esse percentual caiu para 31,6%. Segundo estimativa da Cobap, se for mantido só o reajuste pela inflação, em dez anos todos os aposentados até 2000, independentemente do valor contribuído, estarão recebendo o piso.
Postar um comentário