3.28.2014

26/03/2014 Arnaldo Faria de Sá

https://www.camara.gov.br/internet/library/imagens/BrasaoRepublica.gif
CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ
Sem supervisão
Sessão: 063.4.54.O
Hora: 16h18
Fase: GE
Orador: ARNALDO FARIA DE SÁ
Data: 26/03/2014


O SR. PRESIDENTE (Fábio Trad) - Com a palavra o Deputado Arnaldo Faria de Sá, do PTB de São Paulo.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP. Pela ordem. Sem revisão do orador.) -Sr. Presidente, eu queria, primeiro, registrar o aniversário da cidade de Ibiúna, na última segunda-feira, dia 24 de março,e, segundo, que estiveram presentes ontem em meu gabinete o Prefeito Professor Eduardo, o Vereador Pedrão da Água e outros representantes da cidade. Nosso abraço à Ibiúna!
Também hoje é aniversário da cidade de Poá. Estive com o Prefeito Testinha num evento essa semana e mando meu abraço à Poá pelo grande trabalho que é feito naquela cidade. Sr. Presidente, quero reclamar mais uma vez, de maneira histórica, a cobrança que nós fazemos para que seja colocado em pauta o projeto que altera o fator previdenciário. É um grande problema por que passam os trabalhadores brasileiros, que perdem muito dinheiro com esse maldito fator previdenciário.
Também há o projeto que trata da recuperação das perdas de aposentados e pensionistas, história que a gente vem acompanhando há muito tempo e que é mera enrolação. Ainda ontem, atendemos uma pessoa, um historiador de uma universidade americana. Ele queria saber o que é feito dos aposentados do nosso País, da forma como eles são tratados. E cobrar isso não apenas do Executivo, mas da Câmara, do Congresso como um todo. Todos têm responsabilidade nessa situação. Eu costumo dizer que parece que aqui só tem filho de chocadeira, que não tem pai nem mãe. Se tivesse pai e mãe, certamente trataria melhor nossos aposentados e pensionistas.  E, no dia de hoje, nós teremos a oportunidade de resgatar uma dívida com os agentes penitenciários. Hoje, será votado o Projeto de Lei nº 6.565, do qual sou Relator, garantindo o porte de arma para os agentes prisionais (palmas as galerias), uma grande luta, uma luta intensa, por muito tempo. Por duas vezes, o projeto foi vetado e agora o projeto vem a esta Casa, e nós teremos oportunidade, hoje, de votar.  Liberado o Marco Civil da Internet, tinha outro projeto na pauta que travava também, foi retirada essa urgência constitucional, e, portanto, hoje, teremos a oportunidade de garantir aos agentes penitenciários o porte de arma. Eles que vivem no meio da bandidagem não têm a possibilidade de ter uma arma de defesa. Porte de arma já para o agente penitenciário! (Palmas.) Durante o discurso do Sr. Arnaldo Faria de Sá, o Sr. Fábio Trad, nos termos do § 2º do art. 18 do Regimento Interno, deixa a cadeira da Presidência, que é ocupada pelo Sr. Akira Otsubo, nos termos do § 2º do art. 18 do Regimento Interno.
Postar um comentário