4.30.2014

30/04/2014 Pasadena foi um mau negócio quando analisado atualmente, reafirma Foster

30/04/2014 - 12h46

Pasadena foi um mau negócio quando analisado atualmente, reafirma Foster

No entanto, segundo a presidente da Petrobras, compra era potencialmente boa a partir do cenário da época.
A presidente da Petrobras, Graça Foster, reafirmou, em audiência pública na Câmara dos Deputados, que aquisição da refinaria de Pasadena (EUA) foi um mau negócio se analisado atualmente, mas uma compra potencialmente boa a partir do cenário da época.
“Analisar o passado é mais fácil que o presente. No conjunto, se a gente olha toda a situação definitivamente não foi um bom negócio. Na época foi potencialmente bom à luz do que tínhamos”, disse, em resposta a deputados da oposição que questionaram uma mudança do discurso entre a fala de hoje e de duas semanas atrás no Senado.
Para o deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP), a fala de Foster é confusa e busca “acertar o passo” nas falas do ex-presidente da estatal, Sérgio Gabrielli, e da presidente Dilma Rousseff. “Antes era um mau negócio, aqui me pareceu a defesa de um negócio. Depois que o Gabrielli disse que Dilma tinha de assumir a responsabilidade, vossa senhoria quis acertar o passo”, afirmou.
CPMI
Graça Foster disse que não iria comentar sobre a necessidade de o Congresso ter uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI). “Não posso comentar, não tenho o conhecimento que vocês têm sobre a necessidade ou não”, afirmou, em resposta ao líder do Solidariedade, deputado Fernando Francischini (PR).
Maquiagem
O líder do DEM, deputado Mendonça Filho (PE), questionou o que ele chamou de “maquiagem” de Graça Foster para mudar os valores da compra de Pasadena da empresa Crown pela Astra Oil em 2004. “O valor pago pela refinaria foi de 42 milhões de dólares na aquisição. Quando considera o valor pago pela Astra à Crown considera os investimentos, quando considera a compra pela Petrobras desconsidera os investimentos em Pasadena. Há uma maquiagem para mudar os valores”, afirmou o parlamentar.
Segundo Foster, não houve maquiagem já que os investimentos antes da compra da Astra foram necessários para recuperar a capacidade da refinaria de 30 mil barris/dia para 100 mil barris/dia e os 685 milhões de dólares investidos pela Petrobras de 2006 a 2013 não foram “para recuperar a capacidade” de Pasadena.

Reportagem – Tiago Miranda
Edição – Rachel Librelon

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'
Postar um comentário