5.21.2014

21/05/2014 Comissão da Verdade retomará busca por mortos no Parque do Iguaçu

21/05/2014 - 20h33

Comissão da Verdade retomará busca por mortos no Parque do Iguaçu

Expedição para busca de corpos de desaparecidos políticos no Parque Nacional de Iguaçu será retomada no segundo semestre. O tema foi discutido hoje em audiência na Câmara dos Deputados.
Antonio Araújo / Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre a chacina do Parque do Iguaçu/PR, durante a ditadura militar, em especial quanto à busca dos corpos das vítimas
Debate na Comissão de Direitos Humanos: militantes teriam sido emboscados pelo Exército em 1974.
As expedições para localizar os corpos dos cinco militantes de esquerda mortos pelo regime militar em uma chacina ocorrida no Parque Nacional do Iguaçu (PR), em 13 de julho de 1974, serão retomadas no início do segundo semestre.
Em audiência pública promovida pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias nesta quarta-feira (21), o representante da Comissão Nacional da Verdade, Ivan Seixas, afirmou que o massacre no Paraná foi a operação mais investigada e com informações mais precisas sobre o período, depois da guerrilha do Araguaia, movimento guerrilheiro destruído pelas Forças Armadas no anos 1970.
Seixas participa há aproximadamente uma década de diversas expedições na região para localizar os restos mortais dos guerrilheiros Daniel José de Carvalho, Joel José de Carvalho, José Lavecchia, Vitor Carlos Ramos e o argentino Enrique Ernesto Ruggia. Ele ressaltou que “o episódio não foi esquecido, foi exaustivamente analisado e investigado, e continuará tendo, no segundo semestre deste ano, mais buscas e mais investigações”.
Ainda há um sexto integrante da organização, Onofre Pinto, um dos líderes da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) que, segundo relatos de testemunhas que participaram da operação, foi morto e teve o corpo jogado em um rio, cuja ponte está submersa pelas águas da Usina Hidrelétrica de Itaipu.
Memória
O autor do livro “Onde foi que vocês enterraram nossos mortos?”, que revelou a história da chacina, Aluízio Palmar, após anos de investigação e pesquisa, relatou que os militantes da VPR foram atraídos para uma emboscada, em uma operação liderada pelo coronel do Exército Paulo Malhães, morto no último dia 25 de abril.
Ele afirmou que o esquecimento não pode vencer a memória e a verdade. “Tenho muita fé que o trabalho em torno da memória vai levar o País a conhecer o período da ditadura, a localizar os desaparecidos e a punir os responsáveis pelas violações de lesa-humanidade”, observou Palmar.
Lilian Ruggia, irmã do argentino Enrique Ruggia, morto aos 18 anos, se emocionou na audiência pública ao relatar o último encontro com o irmão antes dele decidir entrar clandestinamente no Brasil para lutar contra a ditadura. Ela disse que passou a vida buscando um corpo para chorar, para sepultar junto com seus pais e para ter um pouco de paz. “A investigação vale para história dos povos, para que todos os desaparecimentos sejam lembrados e que esses crimes não sejam repetidos”, observou.
Participação
A jornalista Juliana dal Piva, que entrevistou o coronel Paulo Malhães um mês antes dele morrer durante um assalto a sua casa, em Nova Iguaçu (RJ), disse que militar confirmou a participação no episódio, liderando a operação. Segundo dal Piva, no entanto, Malhães afirmou que os corpos dos militantes foram jogados no rio e não enterrados no parque e, portanto, não podem ser localizados.
Rosa Cardoso, membro da Comissão Nacional da Verdade, rebateu essa informação. Ela afirmou que suas revelações são importantes, mas não são totalmente confiáveis: “O coronel queria causar confusão, dificultar o processo e criar uma cortina de fumaça nas investigações”, disse Cardoso.
Conhecimento
Antonio Araújo / Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre a chacina do Parque do Iguaçu/PR, durante a ditadura militar, em especial quanto à busca dos corpos das vítimas. Presidente da CDHM, dep. Assis do Couto (PT-SP)
Assis do Couto: audiência ajudou a dar visibilidade histórica à chacina.
O presidente da Comissão de Direitos Humanos, deputado Assis do Couto (PT-PR), afirmou que a audiência pública ajudou a trazer maior visibilidade histórica sobre o episódio da chacina no Parque Iguaçu. O parlamentar defendeu um termo de cooperação assinado pela Comissão Nacional da Verdade, pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos, pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara, com participação das universidades, da Usina Hidrelétrica de Itaipu, do Instituto Chico Mendes, que é o gestor do Parque do Iguaçu, para que tenham êxito na localização dos corpos.
Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição - Janary Júnior

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'
Postar um comentário