12.16.2014

16/12/2014 - 21h34

Plenário rejeita destaque e conclui votação em 1º turno do orçamento impositivo

O Plenário da Câmara dos Deputados rejeitou, por 354 votos a 30 e 4 abstenções, o destaquedo PCdoB à Proposta de Emenda à Constituição 358/13, do Senado, e manteve no texto a regra segundo a qual todas as ações e serviços públicos de saúde custeados pela parcela de royalties e participação especial da União com petróleo serão computadas para o cumprimento do novo mínimo obrigatório estipulado no texto.
Com o fim da análise dos destaques, a PEC será enviada à comissão especial para a redação final que deverá ser votada em segundo turno. O deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO) e o Psol não aceitaram a quebra do prazo de cinco sessões da Câmara para a votação da matéria em segundo turno ainda hoje. Se isso ocorresse, a proposta poderia ser promulgada antes do fim dalegislatura.

Gastos com saúde
Segundo a proposta, a União deverá investir no setor de saúde 15% da receita corrente líquidado respectivo exercício financeiro. O índice será atingido de forma gradativa ao longo de três anos a partir da futura emenda constitucional.
A parte que trata do orçamento impositivo foi aprovada no texto-base e não está pendente de destaques. Segundo o orçamento impositivo, 1,2% da receita corrente líquida da União deverá ser executado obrigatoriamente com emendas parlamentares. Essas emendas contemplam obras e serviços em municípios indicados por deputados e senadores.
Reportagem – Eduardo Piovesan
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'
Postar um comentário