10.15.2015

07/10/2015 Pesar pela não realização de sessão do Congresso Nacional para apreciação de vetos presidenciais. Defesa de rejeição do veto a dispositivo sobre a extensão da regra de correção do salário mínimo para aposentados e pensionistas. Contrariedade à extinção do Programa Farmácia Popular.

CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 300.1.55.OHora: 14h50Fase: BC
Orador: ARNALDO FARIA DE SÁ, PTB-SPData: 07/10/2015

Sumário

Pesar pela não realização de sessão do Congresso Nacional para apreciação de vetos presidenciais. Defesa de rejeição do veto a dispositivo sobre a extensão da regra de correção do salário mínimo para aposentados e pensionistas. Contrariedade à extinção do Programa Farmácia Popular.

O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (Bloco/PTB-SP. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, eu queria lamentar que, mais uma vez, hoje não tenhamos tido quórum para votação de vetos. Eu não entendo. Houve uma rearrumação total, mas parece que desarrumou tudo, porque não houve quórum por duas vezes seguidas para poder votar o veto do Judiciário e o veto da extensão do aumento real para os aposentados e pensionistas, que foi vetado pela Presidente depois de uma manobra sórdida feita pelo Senado. O texto estava no caputdo artigo, e, por uma emenda de redação - não existe isso -, foi deslocado para uma alínea, e essa alínea foi vetada pela Presidente.
Portanto, nós queremos votar, sim, para poder derrubar esse veto e garantir aos aposentados um aumento real de seus benefícios, já que está muito difícil.
E lamento que, ainda que não dê nada, acabem com a farmácia popular. Essa era a única oportunidade para o coitado do velho que tinha que ir à farmácia pegar vários medicamentos. Acabou o Programa Farmácia Popular.
Gozado: depois que acabou a eleição, acabou tudo. A Presidente usou a frase "nem que a vaca tussa" para dizer que não ia mexer nos direitos dos trabalhadores. E o pior é que a vaca tossiu e está indo para o brejo.
Postar um comentário